Páginas

30 de nov de 2011

Estações de integração


Uma coisa que eu gosto de fazer é observar, sentir as pessoas, mesmo não falando com elas, é interessante ver a diversidade e as diferenças, você aprende e conhece as pessoas só com o olhar, com o tempo você aprende e aperfeiçoa isso. Você percebe muito essa diversidade, é só experimentar ficar alguns minutos, nem precisa ser muitos, em uma estação como a Sé. Foi o que eu fiz esses dias no horário de pico, enquanto esperava o grosso do povo ir embora começo a observar as pessoas na estação Sé, é incrível não só a quantidade de pessoas, mas a diversidade que passa por ali, e tanto que muitas vezes no dia-a-dia nós nem notamos, e isso vale não só para pessoas, mas para objetos, esculturas, ou mesmo para aquele piano parado em que anônimos artistas tocam todos os dias em cima do vai-e-vem frenético dos trens, mas estamos sempre tão apressados e nem notamos quem está ao nosso lado. É o lado bom e ruim da cidade grande.

3 comentários:

Neivinha disse...

é fácil observar tudo e es pessoas nesse momento né? o difícil é fazer oque poucas pessoas nesse mundo conseguem que é sintir por alto oque estão sentindo enquanto caminham talvez para um novo destino e com o coração na mão.É raro alguem olhar para o lado e ver algum solitario entre uma grande multidão, é difícil sentir essa vibração qd temos a pressa de chegar logo onde tanto queremos chagar, é fácil se isolar num mundo proprio e sentir só tem coração bater. nossa hj to filosofando muito hahha

Alexandre Prado disse...

Acima do normal?? Que nada.. Este é o cotidiano Paulista!

Raphael Igor disse...

Pior que tava acima normal sim (e normal que eu falo é o extremamente lotado rsrsrsrs). É que tinha muito, mas muito mais gente atrás. (Mea culpa)